Nos Bastidores

Hospitais particulares declaram risco iminente de ficar sem remédios

Equipe médica cuidando de pacientes em área emergêncial de hospital. (Foto: Divulgação/Diego Vara)


Após o risco de escassez de remédios na rede pública, hospitais privados também declararam, neste sábado, 20, que estão ficando sem medicamentos usados na intubação de pacientes com Covid-19.

"A situação é crítica e, se medidas urgentes não forem tomadas em âmbito nacional, mais pacientes morrerão", afirmaram em nota.

De acordo com levantamento da Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp), o estoque de seis medicamentos necessários no procedimento de intubação está no limite também nas unidades particulares. Há remédios suficientes para mais quatro dias e outros, no máximo, para mais 19 dias. O levantamento foi realizado na quinta-feira, 18.

"Entendemos a preocupação do governo em garantir os insumos necessários para a atenção aos pacientes do Sistema Único de Saúde [SUS], mas a situação do setor privado também é bastante preocupante e, certamente, atingirá o seu ápice nos próximos dias. Caso essas instituições fiquem sem as medicações necessárias para os procedimentos exigidos em pacientes acometidos pela Covid-19, a alta demanda dos hospitais privados sobrecarregará ainda mais o setor público- agravando a situação do sistema de saúde brasileiro", afirma.

De acordo com a Agência de Vigilância Sanitária, as medidas anunciadas na sexta-feira (19) para facilitar a compra de remédios também alcançam a rede privada. Diretores e técnicos da agência encerraram os trabalhos ontem perto de meia-noite em um esforço para anunciar regras temporárias que atendam o estoque dos hospitais.

(*) Com informações da CNN Brasil. 

Nenhum comentário