Nos Bastidores

Grupo de grafiteiros prepara maior mural de Presidente Figueiredo

Com mãos que preencheram as ruas de Manaus de cores e figuras amazônicas, Raiz Campos preparou uma imersão artística que resultou em um mural inédito, desta vez, em Presidente Figueiredo. Em parceria com outros 9 artistas do Amazonas, o projeto deve ocorrer durante dois dias, com previsão de entrega para a tarde desta quarta-feira, 24.

A iniciativa marca o "Encontro de Graffiti Galo da Serra", realizado no município, com os artistas Johnny Bulk, Robson Megart, Ploris, Rogério Arab, Denis L.D.O, Riq VS, Emerson Soft, Tyna e Thaizis.

O mural recebe o título de “inédito” por ser o maior do município assim que for concluído, entre 80 e 100 metros quadrados. O projeto também foi apoiado pelo edital Prêmio Conexões Culturais 2020 – Lei Aldir Blanc e pelas Secretarias de Cultura e de Turismo do estado.

O mural escolhido foi no Centro de Educação de Tempo Integral (Ceti) Maria Eva dos Santos, próximo à uma área de proteção ambiental permanente. “O bairro Galo da Serra, onde estamos grafitando, é um bairro afastado do grande centro onde acontecem os movimentos culturais de Figueiredo, então é legal podermos trazer a arte urbana para os moradores”, afirmou Campos em entrevista ao Em Tempo.


O grafiteiro e muralista Raiz Campos também revelou o orgulho em realizar esse projeto, principalmente por ter sido criado na Vila de Pitinga, um povoado de Presidente Figueiredo criado para a exploração do minério.

“É uma honra trazer essa cultura que eu tanto admiro e que eu faço parte, que é o grafite, aqui para minha terra”, compartilhou o artista visual baiano, radicado no Amazonas, que não esconde a sensação de pertencimento ao Norte.

Valor da Terra

A arte do mural será inspirada na cultura da região, trazendo a essência e as raízes de cada grafiteiro. Conhecido no cenário amazonense pelas obras com representatividade indígena que exaltam as belezas do Norte, Raiz Campos busca trazer uma mensagem de enaltecimento no projeto.

“O nosso tema é ‘Valor da Terra’, mas cada artista irá representar isso de forma livre, com uma tela só que se integra em um grande mural”, afirmou. A valorização da cultura Hip-Hop, em união ao grafitti, também é um dos objetivos do projeto



Uma prova da conexão de Raiz Campos com essas terras, é o espaço que elas recebem nas obras do artista. Crescendo na Vila de Pitinga, ele teve proximidade com o território indígena dos Waimiri Troari, uma inspiração recorrente nas próprias artes.

“Mãe D’água”, em Manaus, é um dos grafites mais conhecidos de Campos, localizado na avenida Coronel Teixeira, na Ponta Negra, em um reservatório de água, e também carrega essas inspirações.



(*) Com informações do Em Tempo


Nenhum comentário