Nos Bastidores

Presidente Figueiredo: A missão de resgatar a dignidade do maior potencial turístico natural do AM

Prefeita Patrícia Lopes em Balbina/PResidente Figueiredo AM

Gabriel Ricardo – Agência GR7 Comunicação

Presidente Figueiredo – A Terra das Cachoeiras, assim como diversas cidades brasileiras, enfrenta dias difíceis por conta da pandemia causada pelo novo coronavírus. Os impactos financeiros e na saúde são realidades em todos os setores e, principalmente, nas cidades que vivem do turismo.

Patrícia Lopes Miranda (MDB), eleita para exercer seu primeiro mandato de prefeita de Presidente Figueiredo, assumiu a missão de resgatar não apenas a estabilidade financeira e desenvolvimento do município, mas, também a missão de limpar o nome da cidade que teve sua história manchada por ex-gestores denunciados por corrupção, lavagem de dinheiro e integração de organização criminosa, segundo o Ministério Público do Amazonas (MP-AM).

Patrícia Lopes é enfermeira, atuou em três mandatos como vereadora do município, presidiu a Câmara Municipal por dois anos e, nas eleições 2020, foi eleita a primeira mulher prefeita da história do município.  

OS VINTE ANOS QUE ANTECEDEM A GESTÃO PATRÍCIA LOPES

Durante mais de 20 anos, Romeiro Mendonça (PP) e Fernando Vieira (PL) se revezaram no poder por meio de seus mandatos e mandatos de aliados políticos. Durante esse período o município teve seu nome exposto, não por suas belezas e riquezas naturais que encantam turistas de todo o mundo, mas por seus ex-gestores protagonizarem os maiores escândalos de corrupção, desvio de verba pública e muitas outras polêmicas que foram mostradas pelo Ministério Público e Polícia Federal ao longo desses anos.  

Nos últimos dias, presidente Figueiredo teve seu nome exposto de forma negativa em manchetes de portais de notícias e telejornais com a veiculação de matérias que mostram denúncias feitas pelo Ministério Público Estadual (MPE) em que o ex-prefeito, Romeiro Mendonça (Progressistas), e o ex-vice-prefeito, Mário Abrahão (PDT), estão envolvidos em fraudes de licitação, lavagem de dinheiro e integração de organização criminosa.

Com apoio da Polícia civil do Estado, o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO) cumpriu 13 mandados de busca e apreensão e 12 mandados de busca pessoal deferidos pela justiça. De acordo com o MP-AM, os crimes causaram prejuízo de 23 milhões aos cofres públicos de Presidente Figueiredo durante a gestão 2017-2020, período em que Romeiro José Costeira Mendonça foi prefeito.

Não seria a primeira vez que Romeiro Mendonça mancha a história do município. Em 2004, o ex-prefeito foi detido pela Polícia Federal na Operação Albatroz acusado por desvio de dinheiro público.

Em 2019, o ex-prefeito Fernando Vieira (PL) foi alvo de Ação Civil Pública que constatou, segundo o Ministério Público do Amazonas (MP-AM), graves irregularidades que configuram atos de improbidade administrativa e danos ao erário.
ESPERANÇA DE DIAS MELHORES

Na contramão do que seguiam os ex-prefeitos, Patrícia Lopes (MDB) tem se mostrado preparada para administrar o município que resistiu a escassez de oxigênio que atingiu o Amazonas e países de primeiro mundo nos primeiros dias do ano de 2021.

A Prefeita driblou a crise do oxigênio, articulou a compra de uma usina de oxigênio, brigou na justiça para garantir que pacientes encaminhados do município de Presidente Figueiredo para a capital tivesse o atendimento devido, por meio do Governo do Amazonas, em hospitais da rede estadual no tratamento da Covid-19 e, recentemente, criou o auxílio emergencial municipal.

Em paralelo a todas essas ações, Patrícia Lopes montou um time de secretariado com formação técnica para cada pasta, valorizando os profissionais locais, e tem atuado na linha de frente nas ações de combate a Covid-19 no município.

Mesmo em meio à crise que atinge o mundo, Presidente Figueiredo volta a viver o progresso e se prepara para se recuperar do impacto financeiro oriundo da pandemia que, com a chegada das vacinas, pode estar com os dias contados.


Nenhum comentário