Nos Bastidores

Ex-atriz da Disney critica grupo por cobrar 'perfeição impossível' de estrelas infantis

via Instagram.

Bella Thorne criticou o grupo Disney por cobrar ‘perfeição impossível’ das estrelas infantis. Hoje, a atriz tem 23 anos, ela tinha apenas 14 anos quando deu início à sua fama internacional ao ser protagonista da série ‘No Ritmo’ (originalmente ‘Shake it Up’, da Disney Channel, ao lado de Zendaya.

A atriz expôs sua crítica durante uma entrevista ao site do canal de TV norte-americano ‘Fox News’.

“Há definitivamente muita pressão para ser perfeita aos olhos da Disney e acho que é aí que a Disney erra porque eles fazem com que suas crianças pareçam perfeitas”, afirmou a celebridade. “Essa é uma imagem quase impossível. Eu nunca fui isso. Eu sempre quis ser qualquer coisa que ninguém mais fosse” disse.

“Crianças pequenas não precisam ter pessoas perfeitas como referência. Crianças precisam conhecer a realidade. Precisam ver diversidade, precisam ver o diferente. Pessoas reais falam coisas reais. Acho isso muito mais importante do que a minha imagem. A imagem da Disney é muito menos importante” deu continuidade.

Bella tentou ao longo dos últimos anos se distanciar ao máximo de seu período como estrela da Disney. Ela revelou em 2018, os abusos sexuais que sofreu quando ainda era criança. Logo depois ela tornou público seu envolvimento em um trisal composto por ela, o rapper Mod Sun e a youtuber Tana Mongeau.

A atriz se classifica como pansexual, explicando que sua vida amorosa não é baseada em gênero ou identidade sexual. Atualmente ela está em um relacionamento com o  cantor italiano Benjamin Mascolo, dupla de Fede. Bella tem feito fortuna administrando uma página de produção de conteúdo adulto exclusivo para fãs que pagam pelas publicações.

“Eu sinto muito confiança com a minha sexualidade”, afirmou Thorne na entrevista. E logo ela revelou seu plano de lançar sua linha própria de lingerie: “Seria uma merda fofa demais! Eu faria umas lingeries f***s demais”.

Zendaya e Bella Thorne em No Ritmo


(*) com informações da Revista Monet.


Nenhum comentário