Nos Bastidores

"Bolsonaro engloba todos os discursos de ódio em uma pessoa só", Monica Iozzi diz se arrepender de ter entrevistado Jair


Monica Iozzi, a atriz e apresentadora, conhecida por seu trabalho como repórter no programa CQC, da Band, disse que os brasileiros precisam começar a ter intolerância aos discursos de ódio e parar de dar palanque a pessoas que os propagam, assim como, em suas palavras, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que segundo ele engloba "todos os discursos de ódio em uma pessoa só".


"Se você for na Alemanha, você vai ver que não há espaço na TV para pessoas que relativizam o Holocausto", falou Monica durante o "Conversa com Bial" desta madrugada. "Eu acho que a gente precisa começar a ter esse tipo de intolerância em relação ao discurso de ódio. Às vezes têm coisas que não podem ser toleradas".


De 2009 a 2013, Monica foi repórter do CQC e entrevistou o Bolsonaro inúmeras vezes, dando visibilidade e plataforma ao então parlamentar na época. Ao ser relembrada dessas entrevistas por Pedro Bial, ela afirmou: "Quem mais deu voz a Jair foi o CQC. A gente não pode se eximir dessa culpa e, sim, eu me arrependo de ter falado com ele tantas vezes".


"A minha vontade sempre foi de denunciar, de mostrar como é possível que nós tenhamos um parlamentar com esse nível intelectual, e não estou falando de fazer faculdade, mas sim de ter o domínio básico para exercer um cargo público, e o Jair Bolsonaro não tem isso".

"A gente queria mostrar como o trabalho dele era irrelevante. E depois de mostrarmos a incompetência dele, assim como mostrávamos a de outros (políticos) também, foi que ele começou a se sentir mais à vontade para fazer os discursos de ódio", disse Monica direto de Portugal, onde está gravando uma participação na série baseada no livro "A Crônica dos Bons Malandros", de Mário Zambujal.

"Naquele momento eu não tive essa noção. Eu nunca consegui ter essa visão mais ampla, a médio e longo prazo, de que ao invés de estar fazendo uma denúncia, eu poderia estar dando palanque e aumentando o alcance daquele discurso", assumiu.

Antes de finalizar o assunto, Monica exaltou: "O Bolsonaro engloba todos os discursos de ódio em uma pessoa só. Então, a gente precisa começar a olhar para esses discursos com total intolerância, que é o que fazem na Alemanha com o nazismo. Não vamos dar voz a uma pessoa que diminui os negros e que defende violência contra LGBT".

O "Conversa com o Bial" vai ao ar de segunda à sexta-feira após o Jornal da Globo.





Nenhum comentário