Nos Bastidores

Sede do jornalismo da Globo foi invadida por homem armado, e fez a repórter Marina Araújo como refém


Um homem invadiu a Rede Globo, sede do jornalismo, no Jardim Botânico, na zona sul do Rio de Janeiro, na tarde de hoje. Portando uma faca, ele fez a repórter Marina Araújo como refém.

As informações são de que o homem, ainda não identificado, queria falar com a apresentadora do Jornal Nacional, Renata Vasconcellos, que completa completa hoje 48 anos. Ele já foi detido e a repórter, liberada sem ferimentos.

Em nota oficial, a emissora negou que a invasão e o sequestro tenham tido conotação política, como começou a circular nas redes sociais. Segundo funcionários que não se identificaram, o jovem seria um fã de Renata Vasconcellos, de 20 anos, do Espírito Santo.

"A Globo repudia com veemência todo tipo de violência. Foi obra de alguém com distúrbios mentais, sem nenhuma conotação política. Um homem que exigia ver a jornalista Renata Vasconcellos. Seguindo instruções do comandante Heitor, Renata compareceu ao local onde estava Marina e o invasor. Tão logo ele a viu, largou a faca e libertou Marina. Foi preso imediatamente."

De acordo com relatos anônimos, ele teria feito a repórter de refém logo na entrada da emissora, por isso, os seguranças não reagiram, por medo que ele tivesse uma arma de fogo. O seu objetivo, segundo dizia, era falar com a apresentadora do "Jornal Nacional", toda situação durou cerca de 30 minutos.

"A TV Globo agradece à PM, ao coronel Heitor e a todos os policiais, cuja condução foi exemplar. Marina se comportou com coragem, serenidade e firmeza, sendo fundamental para o desfecho da situação. Renata foi corajosa, desprendida, solidária e absolutamente imprescindível para que tudo acabasse bem. As duas profissionais estão bem. E foram recebidas pelos colegas com carinho e emoção", completou.


Nenhum comentário