Nos Bastidores

Com tempo de TV e Fundo Partidário, PSL, ex-Bolsonaro, articula nomes para Prefeitura de Manaus

Paula Litaiff – Revista Cenarium
Com R$ 193,6 milhões em Fundo Partidário e o segundo maior tempo de TV, o Partido Social Liberal (PSL) iniciou neste mês, junho, as articulações para uma candidatura majoritária à Prefeitura de Manaus, informou o presidente regional da sigla no Amazonas, deputado federal Pablo Oliva.
Dentro da legenda, Pablo disse que estão cotados para disputar o cargo de prefeito de Manaus os vereadores Diego Afonso e Everton Assis, além da jornalista Liliane Araújo, que comanda o PSL Mulher na capital amazonense. A jornalista foi candidata ao governo do Amazonas nas eleições suplementares de 2017.
“Com a decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em liberar a realização de convenções para as eleições deste ano a partir de 20 de julho, a Executiva Nacional do PSL nos autorizou a dar o start das articulações. Como o partido estará estruturado com tempo de TV e recursos, vejo todas as condições para uma candidatura própria”, explicou Pablo Oliva.
No início deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral definiu os percentuais de tempo de propaganda gratuita na rádio e TV a que cada partido terá direito no pleito de 2020. A distribuição considera o número de deputados federais que cada partido conseguiu eleger em 2018, e, também, leva em consideração as migrações que ocorreram na “janela partidária” em abril.
Dos 513 parlamentares eleitos, o PT tem 54 e, por isso, deve ter direito a 10,99% do tempo, ou cerca de 59 segundos. Já o PSL teria 57 segundos pelos 52 deputados eleitos (10,59%). Em seguida estão PP (42 segundos), PSD (38 segundos), MDB (37 segundos), PL (36 segundos), PSB (35 segundos), Republicanos (33 segundos), PSDB (32 segundos), DEM (32 segundos), PDT (30 segundos), SD (14 segundos) e Podemos (12 segundos).  
Já o acesso ao Fundo Partidário é o mesmo que define o tempo de TV, e determina que os protagonistas do segundo turno da eleição do ano passado, PSL e PT, ficam com as maiores parcelas: O PT receberá neste ano custear as campanhas dos candidatos em todo o Brasil R$ 200.925.914,05 e o PSL ficará com R$ 193.680.822,47, sendo 5% para cada estado.
Aposta regional
Pela tendência da política nacional de empoderamento feminino, o presidente regional do PSL disse que o Amazonas, também, vai valorizar a inserção da mulher nas disputas de “cabeças de chapa” no pleito dos 61 municípios.
“É uma tendência nacional e, também, mundial que a mulher passe a ser valorizada como protagonista na política e na gestão pública”, observou Pablo Oliva.
Em Manaus, a jornalista Liliane Araújo atua em movimentos de incentivo à participação da mulher na política, como o #VoteNelas #VamosJuntasNaPolítica e #ElasNoPoder. No Amazonas, implantou núcleos femininos nos partidos os quais esteve inserida e atua ainda como voluntária em projetos de organizações não governamentais (ONGs) de desenvolvimento sustentável.
“A inserção da mulher como protagonista na política ainda é um desafio, principalmente, na Região Norte do Brasil. Há mais de dez anos, trabalho em movimentos e projetos que possam abrir caminho para que elas deixem de ser apenas o complemento de cotas e passem a ter participação direta na sociedade”, afirmou Liliane Araújo.  
Composição nacional
De acordo com dados do TSE, o PSL foi o partido que mais cresceu nas eleições de 2018. Além de eleger o Presidente da República, aumentou exponencialmente sua participação nas Assembleias dos Estados.
O número de eleitos para as Assembleias Legislativas estaduais pelo PSL subiu de 16, em 2014, para 76 em 2018. Esse aumento coloca o partido em 3° lugar em número de representantes nas assembleias estaduais.
A legenda elegeu 3 governadores (Roraima, Rondônia e Santa Catarina). O partido foi o campeão de votos para a Câmara dos Deputados. Recebeu 11,6 milhões no total. Possui a segunda maior bancada da Câmara, com 53 deputados. No Senado, o PSL tem 4 representantes, sendo duas mulheres.

Nenhum comentário